Referências / Inspiração

Devo – (I Can’t Get No) Satisfaction

Você nunca ouviu “(I Can’t Get No) Satisfaction” desse jeito:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=jadvt7CbH1o

Sporto Kantès – Whistle

Descobri essa música por causa de uma campanha do Renault Twingo. Chama-se Whistle, do Sporto Kantès, dois franceses que fazem uma mistura muito particular de canções simples e música de sampler. O clip cheio de animações tem direção de nObrain, mas o que gruda mesmo é a simplicidade da melodia e o humor do assobio. Detalhe: com cavaquinho chupado do maxixe e triangulo de baião.

 

E a campanha:

Crossroads: duelo de guitarras (Steve Vai e Ralph Macchio)

Em “Crossroads” (1986) o ator Ralph Macchio interpreta um garoto em busca de uma canção perdida de Robert Johnson, legendário bluesman das primeiras décadas do século XX. Há uma cena em que ele precisa duelar com Steve Vai, no papel do guitarrista do diabo (ele mesmo, o Coisa Ruim). O que rola é um uptempo com a chapa fervendo:

Imogen Heap – Canvas

Canvas da cantora, compositora e multiinstrumentista inglesa Imogen Heap é um tema de arranjo climático e com uma introdução quase minimalista de 1 minuto. Tem uma atmosfera próxima de algumas trilhas sonoras de cinema – talvez por isso eu tenha gostado do clip dirigido por Tom Kelly, com cenários naturais em PB e algum slow motion. Afunde no sofá:

Trent Reznor – A Rede Social (The Social Network)

Dirigido por David Fincher em 2010, “A Rede Social” é a história da criação do Facebook. É um ótimo filme, e sua trilha sonora também. Composta por Trent Reznor, cantor e lider da banda de rock industrial Nine Inch Nails, a música é sutil e não ocupa espaço, mas também não é um mero papel de parede. Repleta de texturas sombrias, essa trilha eletrônica consegue adicionar bastante tensão à trama. Confira:

UPDATE:

Milton Nascimento – Angelus

Milton Nascimento lançou em 1994 o album Angelus, cheio de participações especiais de jazzistas e instrumentistas formidáveis com Naná Vasconcelos, Herbie Hancock, Wayne Shorter, Pat Metheny, e cantores como Peter Gabriel e James Taylor. E no album há uma música muito singela e da qual gosto muito, que é a faixa titulo “Angelus”. Com sua cadência saltitante, poderia ser trilha de algum comercial feliz e ensolarado. O tema, sem palavras, é cantado por um menino, e Milton passeia com sua voz em falsete em torno dela. Basicamente é isso, uma canção feliz e quase infantil: